quinta-feira, 8 de setembro de 2011 | 15:19 | 21 Comentários

Em caso de homofobia, culpe a vítima

Os gays provocam muito. Seja lésbica, viado, travesti ou transexual, a verdade é uma só: gays provocam demais. Riem alto demais, dançam demais, gostam de música demais, lançam moda demais, querem afeto demais, amar demais, trepar demais, serem felizes demais! Eles querem até os mesmos direitos que heterossexuais! Onde já se viu tamanha afronta! Este gays querem ficar por aí, andando, amando e constituindo família livremente e não entendem como isso é provocador? Será que não entendem como isso é um ataque frontal à verdade absoluta da heterossexualidade como única existência possível e saudável? Será que não percebem que assim ficam forçando a barra para saírem da marginalidade? Já não basta poderem trabalhar, estudar e andar pela rua, ainda querem se envolver em política? Ainda querem demonstrações públicas de afeto? Querem ser considerados como outra pessoa qualquer? Ora, todos sabem que assim, não é possível, assim, não pode ser.
Se uma pessoa mata um viado, certamente o viado tem sua parcela de culpa. Deve ter provocado, deve ter cantado o sujeito decente que o matou, deve ter lhe lançado um olhar abusado. Alguma coisa este viado deve ter feito. Com homens heterossexuais é diferente. Nenhuma mulher vai matar um cara somente por ele ter dado em cima dela, passado a mão pela cintura, puxado o cabelo, passado uma cantada daquelas ou ter lhe sussurado umas sacanagens gostosas. Claro que não, pois neste caso é normal. A mulher que agredir o homem é louca, claro, merece cadeia. O que tem levar só uma cantadinha ou uma agarradinha? Poxa, tem que ficar lisonjeada... Com viado, não, viado tem que saber o seu lugar, tem que ficar quieto. Que negócio é esse de me expor deste jeito? E se pensarem que o camarada que levou a cantada é viado também? Mulher não, se levar uma boa passada de braço pela cintura e lhe tacarmos um beijo roubado, poxa, é só um beijinho. Não acho que seja tratá-la como objeto, bom, só se for objeto do desejo e aí é uma coisa boa.

O cara tem 18 anos, vai para uma boate, beija na boca e vai logo para cama com um desconhecido, morre com uma facada e todos ficam com pena dele? Mas quem mandou levar o cara para casa? Coisa de viado burro. Com 50 anos? Aí então é coisa de viado carente. Sapatão? Aposto que estava na seca, aí achou outro sapatão doido que lhe enfiou uma faca. O viado que morreu era pobre? Então estava dando um golpe. Era rico? Então estava com um garoto de programa. Algum risco absurdo e desnecessário este viado correu sem necessidade alguma. Ah, se pegou na rua, então, poxa, quem mandou estar se prostituindo? Agora morreu de um jeito violento. Talvez se não se prostituisse, talvez se não levasse ninguém para sua casa, se não fosse para um motel, se não namorasse, se não trepasse, se não beijasse na boca, se não insistisse em ser feliz, se não fosse gay! Isso é o que dá esta necessidade de ficarem vivendo livremente e fazendo o que bem entendem como se fossem pessoas normais.

E quando é com “aquela mulher de saia curta e top que estava andando naquela rua, naquela hora" e foi estuprada? O que dizem algumas pessoas, senão que também a vítima não deveria estar vestida daquele jeito, nem naquele lugar, muito menos naquela hora? E eu fico pensando que quando é com um@ LGBT, ou com uma mulher, por exemplo, a vítima se não recebe toda a culpa, recebe parte dela. E quando é com um homem heterossexual, a culpa é somente do algoz. E fico me perguntando por que razão isso acontece. E as questões não cessam, pois o que leva algumas pessoas da própria comunidade LGBT ou algumas mulheres a insistirem em procurar e até defender a culpa da vítima? Por que razão coisas como irresponsabilidade, inconseqüência, falta de amor-próprio, carência e descontrole são sempre atribuídos a quem sofreu o crime e não a quem cometeu? Não estamos todos tentando apenas ser felizes? Não estamos todos apenas tentando viver da melhor maneira possível? Pense bem, quando você fica sabendo de um caso de assassinato ou outra forma de violência, envolvendo uma mulher ou um@ LGBT, como você olha para esta história? O que você deduz e a partir do que? Você tem informações suficientes sobre a vida dos envolvidos? Sobre o envolvimento de ambos? E ainda que você acredite ter boas informações sobre tudo isso, estará certo do que realmente houve? Mais do que isso: qual é a sua interpretação dos fatos? Sob que prisma você analisa o ocorrido? Será que não há resquícios dos discursos homofóbicos a que somos submetidos todos os dias? Será que não se absorve parte da postura de nossos próprios algozes? E quando é um caso de violência entre heterossexuais, qual é a reação da imprensa, dos colunistas e de nós mesmos? Pense sobre isso, pois não se trata apenas de mim, de você e de nossas ações, mas do discurso inferiorizante que nos infligem a todo o momento e que não podemos de forma alguma reproduzir, pois de nada adianta lutarmos e irmos às ruas por orgulho, respeito e dignidade se carregarmos nossos algozes dentro de nós. Temos que romper estas amarras!

@ivonepita


É DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DOS COLUNISTAS A EXPRESSÃO DE IDEIAS E OPINIOES VEICULADAS NESSE SITE!

21 comentários:

Anderson Rodrigues disse...

Amei o texto e já estou na sua cola. Parabéns!

maribel disse...

ótimas as colocações, temos que nos autoavaliarmos para que de forma quase inconsciente, não venhamos a copiar determinadas posturas homofóbicas. Essa avaliação tem de ser diária e continua. Obrigada

luciana mendonça disse...

SEM DÚVIDA!!! SEU MELHOR TEXTO ATÉ AGORA!!!!

=)))) MUUUITO BOM, IVONE!!!!

alessandrols disse...

É tradição no Brasil culpar a vítima pela sua própria tragédia. Eu me lembrei agora do caso do Cazuza quando ele assumuiu publicamente ser portador do vírius da Aids, pouco tempo depois este artista foi capa de uma matéria desrespeitosa sobre seu comportamento "desviante" na Revista Veja. Outro caso foi a morte prematura da Cássia Eller, que dias após sua morte a mesma Revista veja publicou um matéria que também criticava sua vida "desregrada". Coincidentemente ou não, ambos eram homossexuais. Tem agora o caso da juíza Patricia Accioly, assassinada por um grupo de extermínio daqui do Rio, que logo em seguida foi difamada por gente da própria justiça como uma mulher promíscua e que gostava de apanhar do amante policial. Tem agora um caso mais grave envolvendo um homossexual de São paulo, assassinado pelo o amante. Pasmen, o Luiz Mott, do movimento gays da Bahia, num programa de rádio, culpou a vítima só porque ele se envolveu com alguém de classe mais baixa. O mesmo acontece com negros e pobres, que sempre são considerados culpados por suas mazelas. O triste é saber que excluídos históricos aprenderam a mimentizar o preconceito do opressor e eu, particularmente, acho que isso vai piorar quando certos grupos começarem a galgar voos mais altos. Mas, em contrapartida, não devemos ser contra os avanços graduais de certos segmentos discriminados, como gays e mulheres, aqueles que, teoricamente, estão mais próximos de alcançar avanços socias do que outros, negros, pobres e índio. Mas devemos estar atentos ao reverso da moeda. Pra terminar, mais uma vez Ivone, parabéns, seus textos estão ficando cada vez melhores.

Minas420 ! disse...

Muito legal.
sou hétero,respeito e apoio meus irmãos.

Yon Muniz disse...

Ivone, me surpreendo a cada texto seu que leio, parabéns pela magnífica percepção dos fatos!

Yon Muniz disse...

Ficou ótima a fotomontagem de sua apresentação!

Zil disse...

Ivone Pita, parabéns pelo texto.

•Júnior• disse...

Excelente texto, disse tudo!

Anônimo disse...

legal o texto, mais por favor você forçou muito em dizer que o sujeito que mata é decente e nem todo gay sai por ai estanpando a sua sexualidade não precisa generalizar mais parabéns

Anônimo disse...

Gostei do texto

RICARDO AGUIEIRAS disse...

Ivone, só pude ler hoje, por que estava com problemas e num lugar sem internet. Não tenho outra palavra senão uma: Magnífico1 Espero, ardentemente, de o senhor "bolha de conforto" André Fischer o leia, é o mínimo. E aprenda alguma coisa, mais aí é exigir demais dele. Ando cansado do porco e falso moralismo que reside, infelizmente, dentro até da militância gay masculina... Beijos e obrigado, amei!

Ree Badam disse...

MUITO BOM ! Ironia muito bem colocada e expondo a realidade que passa na mente "popular" e preconceituosa! PARABÉNS !

Anônimo disse...

Legal o texto... Parabéns!

Anônimo disse...

Marrapaiz, q texto bom!

Paz Universal disse...

Excelente!!!!!!!!!!!

Pulga na Farinha disse...

Confesso que fiquei meio desconcertada no começo... Como assim estamos sendo atacados sem o menor pudor?? Mas é claro que, ao longo do texto, percebemos que a ironia não foi discreta: precisávamos apenas abrir a cabeça para saber a realidade da coisa toda. Ainda bem que temos você para nos mostrar bem a verdade

gatinho disse...

Tenho 19 anos e acho que com tudo que acontecem,algumas pessoas da minha idade que se descobrem mais cedo do que em outras decadas e são capazes de dar a cara a sociedade e dizer Sim eu sou homossexual,pensa e sonha e um dia,ler coisas dos tipos e livros de historias,e,que possamos todos viver igualmente,amei o texto digno de aplausos,mais do que valem milhares de palavras enquanto eles continuam com as mesmas atitudes???....

ANJINHA disse...

otima matéria muito bem redigida parabéns ameiiiiiiiiiii

ERICA disse...

AMEI O SEU TEXTO E AFINAL, VERDADES DEVEM SER DITAS. PARABENS

O Sili disse...

Muito bom, Ivone! Adorei o texto. Tão bem escrito, com a ironia tão habilmente colocada, que é possível que muito tacanho por aí ache que você está atacando os homossexuais... Mas é com textos assim, que esfregam a cara dos cães na bosta, que os colocamos em seu lugar. Parabéns!