segunda-feira, 10 de outubro de 2011 | 11:23 | 3 Comentários

Churrasco, futebol e muitas gostosas...

No Brasil, o inconsciente coletivo (de mulheres e homens) acredita que este é o cenário tipicamente perfeito para o homem heterossexual afirmar sua sexualidade, ou melhor dizendo, sua masculinidade.

Daí porque, aos finais de semana, os bairros de boa parte da cidade de São Paulo viram uma verdadeira fornalha, queimando toneladas de carne, deixando no chinelo qualquer ritual de sacrifício das antigas civilizações e tudo isso para celebrar ou invocar a tão importante masculinidade do homem brasileiro. Desde logo cedo, até o horário da partida de futebol, milhares – por que não dizer milhões – de homens ficam no comando de churrasqueiras que vão desde latões adaptados até aquelas feitas de tijolinhos em estilo colonial enquanto discutem qual o melhor time, o melhor jogador em um combate de argumentos pseudo-esportivos que deixaria Michel Foucault excitadíssimo tentando entender a mente humana.

“As gostosas” se juntam à readaptação do ritual da caça (o famigerado churrasco) e ao futebol, nesta arena contemporânea onde não há leões, nem gladiadores, mas 22 homens em busca da vitória de uns e vergonha de outros, cumprindo com o enredo da superioridade sobre o outro, uma releitura popularesca, por exemplo, dos romanos sobre os gauleses talvez. As gostosas estão em todos os lugares, nos cartazes e banners de bebidas, balançando bandeirinhas nos intervalos dos jogos, nas propagandas da televisão e as mais sortudas conseguem chegar perto de seus ídolos e são quase que oferecidas como um prêmio aos heróis daquela partida.

Pronto! Em pleno século XXI, utiliza-se o mesmo formato da Antiguidade para reafirmar uma das ideologias mais fortes e de longa duração no mundo: o machismo. Nela o homem (heterossexual, claro!) está acima de toda a estrutura social. No topo de uma pirâmide, ele ocupa há séculos um lugar que foi conquistado à força, o qual, no entanto, tem sido ameaçado pela sensibilidade do pensamento e das ações. Algo não lá muito caro aos machões de plantão.

Talvez seja por isso que alguns jogadores do Corinthians tenham procurado o Sindicado dos Atletas do Estado de São Paulo (Sapesp) e o mesmo tenha emitido uma nota informando que invocará Ademilson Silva (o Homem Picanha) para esclarecimentos judiciais por conta dele ter afirmado em uma entrevista que namorava um jogador titular do time em questão.

Segundo o site de notícias Vírgula, o presidente do Sapesp, Luis Eduardo Pinella declarou: "(O Sapesp) entende que a atitude de colocar em dúvida a opção sexual das pessoas, tem o efeito maléfico de discutir a sexualidade de forma debochada e preconceituosa. Incitando ódio àqueles que manifestam sua homossexualidade"

Pinella tentou demonstrar uma opinião não homofóbica em sua nota. No entanto, analisando sua fala, me parece que existe certo preconceito sim, quando ele diz que “alguns jogadores são casados, com filhos e heterossexuais. O fato teve repercussão negativa junto às famílias e aos órgãos de imprensa depois da declaração do dançarino de funk. Por esse motivo, medidas podem ser tomadas”, conforme divulgou o portal Vírgula. Me parece, que tanto jogadores quando o próprio presidente acreditam que ser comparado a um homossexual é motivo de desonra, conforme concluiu: "Em vista da honra e imagem coletiva dos atletas terem sido atingidas, o Sindicato dos Atletas do Estado de São Paulo, instado pelos atletas do Sport Club Corinthians Paulista, vem a público informar que estará ingressando com as medidas administrativas e judiciais cabíveis". De acordo com a nota, o Homem Picanha terá de provar tal relacionamento.

O que me pergunto é: Que honra é esta? Que imagem é esta?

Será que se, em vez de ser o Homem Picanha, fosse qualquer uma das mulheres frutas dando a mesma declaração os jogadores e a Sepesp teriam a mesma preocupação com sua honra e imagem. Penso que isso seja bem pouco provável.

O fato é que o Homem Picanha ao afirmar que namora um jogador do Corinthians não está denegrindo a imagem de ninguém, diferente do que alegam jogadores e o presidente da Sapesp. Ele disse que namora um jogador do time (o que pode ser verdade ou não). Talvez ele tenha feito isso até como uma brincadeira. Talvez o apresentador do programa que o entrevistou esperasse que ele dissesse que o jogador fosse do São Paulo, pra já começar a fazer aquelas piadinhas antigas, ridículas e sem a menor graça de que São Paulinho é gay. A questão é que o Homem Picanha está colocando por terra a falsa crença de que no futebol não existem homossexuais. Afinal, pra que eles querem a prova de tal relacionamento? Seria para execrar o suposto jogador gay???

Será que quem se preocupa tanto em reafirmar a própria masculinidade e virilidade é tão macho assim ou isso não passa de viadagem???

Beijo, beijo, beijo... Fui...


É DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DOS COLUNISTAS A EXPRESSÃO DE IDEIAS E OPINIOES VEICULADAS NESSE SITE!

3 comentários:

Ivone disse...

Cindy,

que bom ter mais um texto seu!
Sempre bons textos! =)

Beijo grande!

ANA CRISTINA CARDOSO DOS SANTOS disse...

Realmente a idéia de honra desses paeudos machões passa longe da realidade e da dignidade. Vc como sempre excelente !

Anônimo disse...

Tinha que ser no Brasil ...