sexta-feira, 21 de outubro de 2011 | 15:50 | 6 Comentários

Eu nasci gay!

Existe muita controvérsia por aí sobre a origem da homossexualidade. Muitos dizem que é uma opção, outros juram que é genético, alguns acham que é pouca vergonha mesmo, outros tantos não fazem a menor ideia de onde vem esse troço. Vou dar o meu depoimento. Tentarei ser o mais objetivo possível. Desde quando me lembro, dos meus mais remotos sentimentos sexuais, eles eram voltados para o mesmo sexo. Lembro-me de quando tinha por volta dos seis, sete anos, e já era apaixonado pelo meu melhor amigo. Admirava seu rosto forte, que eu considerava mais masculino que o meu, seu nariz, seu jeito masculino de andar, de jogar bola, tudo nele me atraia, TUDO. Eu era uma criança, ele também, mas a memória é vívida e cristalina, eu já sentia tesão por esse garoto. Não sabia o que era, mas eu sentia, e era muito forte. Queria vê-lo trocar de roupa, beber água, jogar video game, eu babava por ele. Acho que ele jamais desconfiou, mas eu, hoje, sei que o amava. Amor de criança, mas AMOR. Olha que MERDA. Se eu fosse uma menina, poderia ter vivido esse amorzinho de criança saudavelmente pra toda a sociedade. Quantas meninas aos 7 anos se dizem apaixonadas pelos coleguinhas e TODOS acham bonitinho? Nós gays ainda não podemos isso. Temos que ser crianças com CULPA. Culpa de amar, culpa de sentirmos amor por outro, culpa de sermos o que nascemos. Isso é MUITO triste. Posso dizer que tive uma infância demasiadamente triste por ser gay.

Daí em diante, a coisa sempre se repetia. Eu cresci, mudei, aos 8 fui para a Inglaterra, e enquanto uma garotinha da vizinhança declaradamente apaixonada por mim chorava, eu chorava pela perda do meu grande amor de infância, meu melhor amigo. A diferença é que ela era essa menina que pode abrir seu coração para o mundo. A família dela a consolava, mas eu chorava calado, quieto, com culpa, a perda do meu amor de infância. Isso é justo? Ou tem algo de muito errado na forma que criamos nossas crianças? A criação de uma criança gay é de uma crueldade infinita. De uma solidão imensurável. Somos criados em moldes ultrapassados e heterocêntricos. Se não mudarmos isso, o ciclo vai se perpetuar e mais crianças sofrerão caladas, solitárias e incompreendidas. Nesse momento, ao escrever essas frases, crianças homossexuais estão sofrendo, por amarem, por estarem presas ao que são, e pior, por acharem que são aberrações. São crianças, apenas isso. Que precisam de compreensão dos pais, dos amigos, da sociedade, da vida. Será tão difícil assim percebermos que ao nos depararmos com uma criança gay não devemos “consertá-las” e sim, entendê-las? Será mesmo que precisamos ter medo da homossexualidade? Se meus pais, desde cedo, pois haviam muitos sinais da minha homossexualidade, tivessem me criado para o universo gay, com certeza muito sofrimento me teriam poupado.

Chego em um ponto da minha vida que pouco me importo se nasci gay ou se foi uma opção, quero que literalmente SE FODA esse debate. O que interessa é que sou gay e sempre fui. Sempre desejei, sempre me excitei, sempre quis estar com alguém do mesmo sexo. E daí? A questão agora é melhorar a vida de nossas crianças. Eu adoraria ter acesso a esse meu texto na minha infância. Teria CERTEZA que não sou esquisito, anormal, um bicho. Saberia que era só uma criança em busca da sua felicidade, em busca de aceitação e que jamais iria ganhar uma luta contra mim mesmo. Saberia que nem preciso entrar nessa luta, saberia até que nem se tratava de uma luta e sim de um preconceito social que em nada tem a ver com minha sexualidade. Que gostar do mesmo sexo é algo que irá me acompanhar pelo resto da minha vida e que isso pode ser uma bela de uma benção e jamais uma condenação. Sou hoje abençoado por ser gay, eu e todas as crianças gays do Universo. O drama é que eu sei disso e elas AINDA não!

Link: www.papaigay.com


É DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DOS COLUNISTAS A EXPRESSÃO DE IDEIAS E OPINIOES VEICULADAS NESSE SITE!

6 comentários:

Anônimo disse...

adorei esse post conta quase minha historia poucos pontos sao diferentes mas e minha historia contada por outra pessoa.
adorei e isso mesmo isso vai muda muito o pesamento de muitas pessoas que passam por esse site.
by: rayan dos santos 16 anos

Thaís Vaz disse...

Muito boa a maneira como escreve, simples objetiva e transparente. Aguardo ansiosa mais posts seus. Sucesso na coluna.

Aly disse...

Sabias palavras.... palavras que representam a realidade de muitos gays que, não são gays por escolha e safadeza como muitos ignorantes pensam, é algo que nasce com a gente... ninguém escolheria sofrer nas mãos de uma sociedade cruel e preconceituosa!

Anônimo disse...

Acredito que assim como eu muitos se identificarão com o texto. Passei por quase tudo isso, algumas coisas a mais, outras a menos, tive meu amor platônico (um amiguinho), entretanto tive uma vida sexual bem precoce, a mer ver, quando tinha 11 anos com um vizinho de 18, e não fui violado. As histórias se repetem, só mudam de endereço, de família e de época. Tudo sigue igual. Até quando?

Anônimo disse...

Nossa impressionante e uma historia da minha vida,fala minha vida inteira..pois ate hoje eu sofro escondido,pois nao tenho coragem de dizer ao meus pais e familiares...sou uma pessoa muito trista por isso.....Estou com 22 anos hj e ate agora nao tenho coragem pra dizer aos meus familiares...

Felicidade da vida. disse...

Eu tambem sofro muito a tristeza profundo da minha familia como ameaças das minhas felicidades do meu coração pois contra da minha sexualidade que eu sou homossexual puro, homossexual alma, homossexual humano e ser direito com meu nome.
Eu estou com plano pra ficar a longe da familia pra entra a porta e dia 30/11 até estarei em Caxias do Sul - RS. Pra viver e nova vida.

Uma pessoa que eu amo, foi aconteceu. mas tudo por obrigado a Deus feito do meu coração que mandou. Grande esperança na minha vida ter nova família e muito feliz como AMOR verdade.

Toda a vontade de DEUS.
Obrigado.